O NOVO PARADIGMA

Notícias e Blog de Opinião

Lei das Ondas Harmônicas pela Tabela de Fermat e signo arqueológico

Lei das Ondas Harmônicas pela Tabela de Fermat e signo arqueológico

Compreendendo que K esta nas relações n4, n6 e n7 iremos provar pela Tabela de Fermat junto ao corpúsculo como a relação da soma de duas faixas específicas divididas pela área da primeira faixa somada geram a própria ressonância e em um ponto específico das faixas.

Considerando o Tema 3 da Aula 02 de óptica do Canal USP sobre ondas planas e consequentemente harmônica que seja vamos nos utilizar de seus pontos em letra para apresentar os mesmos pontos na Tabela de Fermat ao qual alimentou esta perceptiva e aplicação.

Vale lembrar que apenas daremos o pedaço de uma fatia do bolo (lei da ética, sempre citar a fonte).

Considerando as relações de K como referência de nossa tabela gráfica retirada da tabela espectral do Postulado de Alice entre n4=24, n6=36 e n7=42 para as coordenadas pitagóricas sobre o corpúsculo e seus números fixos, compreendemos que diferente do efeito gravata em n3 temos o efeito K e por isso K estará relacionado aos valores de incidente e refletido como o próprio corpúsculo e seus números fixos demonstram.

Reveja relações de K e explicações sobre a letra pela Teoria da Relatividade se garantindo da letra da Teoria Clássica, a verdadeira e das sempre cordas: ‘…Definimos a amplitude de espalhamento como sendo uma função que depende da densidade eletrônica e dos vetores de ondas incidente e refletido k e k , a princípio ondas planasmonocromáticas…’

Perceba que a amplitude de espalhamento ocorre e depende de uma densidade eletrônica, ou seja, da soma da própria variação eletrônica, de uma dupla faixa como veremos e que unidas cada faixa dupla forma um quádruplo criando densidade suficiente para assumir a amplitude de espalhamento, que seja.

Compreendendo que K esta nas relações n4 (inversa), n6 e n7 iremos provar pela Tabela de Fermat junto ao corpúsculo como a relação da soma de duas faixas específicas divididas pela área da primeira faixa somada geram a própria ressonância (amplitude acentuada) e em um ponto específico das faixas sem tocar nenhum instrumento, apenas analisando a Tabela de Fermat Pitagórica e do Postulado de Alice que é reflexo de Galileu Galilei melhorado, mas não transformado, e consequentemente do próprio signo arqueológico, signo que é arqueológico.

Se as ondas planas e harmônicas possuem relação com K das faixas relacionadas n4, n6 e n7 como já analisamos pela tabela e relações de valores 24, 36 e 42 pitagóricos, pois estes valores sobre o signo arqueológico e seus números fixos nos levaram a letra K, e pegando apenas os valores localizados no campo em Bn6 e Bn7 e que estão diretamente relacionados a n6 e n7 ao qual nos indicam e sem coinciências os valores laterais dos signo arqueológico em 3 e 2 conforme valores Bn6 de frequencia 3,2 e valores de campo em Bn7 0,23 e agora compreendendo que a soma de 3 mais 2 do signo arqueológico é 5, a linha horizontal, onde este mesmo valor 5 de campo encontramos em Bn4 de n4 em 0,5, somamos An6+An7 que nos fornece o valor 7,44516981. (*ver tabela)

Sabemos que 7 é o valor do Espírito que está no ar, simbolicamente e do signo arqueológico, a circunferência, e ao mesmo tempo a soma de todos os valores dos raios desta circunferência do signo arqueológico 3+5+2+4+5+3+6 que a compõe em valor 30, e sabemos que na tabela de Fermat o valor 30 esta no campo em Bn6 em 0,3088, valor diretamente relacionado a n6 da primeira etapa pitagõrica da tabela de análise pelo Postulado de Alice.

Se a soma de An6+An7 nos fornece o valor 7 de coordenada do corpúsculo da soma de campo total de uma onda circunferencial em 30 e que por ser circunferência indica o campo 30 em onda expresso em Bn6, o próprio espalhamento e amplitudoe, pois uma faixa circunferencial é uma onda e logo um campo de 8 raios e por isso espalhado, dividimos a soma pelo campo e depois o campo pela soma da tabela em análise.

Concluindo neste pulso que temos em primeira instância o valor em Campo ampliado a 24 para a frequência diminuída em 0,04 e que estes valores ao qual chegamos estão próximo e inversos a n7 Fermat em campo 0,23 para 4,20 percebemos que houve uma ressonância (amplitude de campo e diminuição da freqência) no sistema nas relações K das coordenadas e da tabela.

O QUE É RESSONÂNCIA

Em físicaressonância é o fenômeno em que um sistema vibratório ou força externa conduz outro sistema a oscilar com maior amplitude em frequências específicas, conhecidas como frequências ressonantes ou frequências naturais do sistema. Wikipédia livre, 2019

Perceba que na nossa relação com a Tabela de Fermat na coordenada K descobrimos que pela soma das frequências de An6 e An7 Fermat junto a divisão do campo da primeira frequência (Bn6) ocorre um aumento de amplitude do campo de tal forma que a frequência diminui quando o campo de Bn6 Fermat é dividido pela soma das frequências em An6 e An7 Fermat.

Perceba que esta estrutura somente serve nas relações n6 e n7 Fermat para faixas em n5 e n6, n6 e n7 e n7 e n8.

O que entendo é que a inversão e efeito ressonância ideal apenas ocorre quando organizadas e nestas faixas da variação da luz em n6 e n7, luz que sempre será e é variada, donde sua variação das 9 etapas somadas nos fornecem no campo da faixa n4 que apresenta aparentemente um campo constante de raio em razão das coordenadas fixas do signo arqueológico em 0,5 para um pulso de frequência quase 1, o seguinte: a soma dos 9 campos da tabela e 9 frequencia, os tais 9 segundos, nos fornecem no campo o valor de coordenada próximo a 5, mas em 4 (a área, o quadrado do sistema) para uma frequencia em 27 faltando +2 Maia para 29 da corda ou o tal valor da velocidade da luz arredondado para 3 encontrado no fractal V do sistema.

Se somarmos An5+An6 de forma a dividir esta soma pelo campo Bn5 da tabela de Fermat compreendemos um valor de inversão na amplitude do campo Bn1 da Tabela de Fermat em 14 de 1,4 (* em vermelho) para diminuição da frequência em An1 de Fermat de 0,71 para 0,071 e aumento do campo de 1,4 para 14.

Isto indica que estas razões começam a ocorrer na variação da luz de forma perfeita a partir de n5 quando na utilização de K da tabela do signo arqueolõgico.

Vejamos e novamente o que ocorre.

Perceba que em n6, em seguida o mesmo sistema de aplicação nos indicará um salto de 7 faixas, pois a soma de An6+An7 dividido por Bn6 nos apresenta uma amplitude de campo de Bn7 Fermat a 24 de campo por 0,23 com diminuição da frequência de 4,20 a 0,0414 e aqui diz-se que nesta aplicação houve um aumento de campo com diminuição da frequência, ou seja, o campo aumento em seu valor para a frequência diminuindo em seu mesmo valor entre Fermat e nossa aplicação.

Já para An7+An8 dividido por Bn7 e daí Bn7 dividido por esta soma aplicada percebemos que o campo aumenta em comparado a Tabela de Fermat próximos a n5, pois o campo de 0,40 de n5 aumenta para 40 e a frequencia de 2,4 de n5 diminui para 0,024 (perceba a razão de inversão do sistema).

Isto já vi em pedras na arqueologia, de um sistema de ondas em decaimento em si mesmo e para cima e para baixo ao mesmo tempo e diretamente correlacionado ao sempre SPIN determinado.

Note que quem descobriu a ressonância foi Galileu onde dizem ser Pitágoras seu precursor e que compreendemos pela Clássica e digna ser uma verdade.

Em posts subsequentes apresentaremos e mais detalhadamente e aqui no Novo Paradigma Notícias e Blog de Opinião que a Tabela de Fermat é uma Tabela melhorada da Transformação de Galileu. Bem vindo ao novo e digno Senhres e Senhoras.

Posts mais lidos nos últimos 7 dias

Inscreva-se em nossos Webinários

Leave a Reply