A histeria do mau cheiro do útero errante

Temos duas histerias a grega e a freudiana e elas na história devem ser confundidas sobre a incompreensão de um universo modular de pulso para creditar a existência de domônios e endemoniados e corromper o verdadeiro caminho espirituoso e de formação pelo virtuoso descrito no Manuscrito. Confira.

*** Este material faz parte da Pós-Graduação em Psicanálise da autora Karin Mozena que carrega o pseudônimo Rainha do Sol

Das duas histerias, a grega e a de Freud com Charcot

Podemos dizer que tanto a histeria grega de ‘uma animal dentro de um animal’ e fluidos quanto a de Freud ‘de uma mente dentro de uma mente’ não estão incorretas.

Apesar de serem distintas as duas acometem quase que praticamente alguns sintomas equivalentes onde estas seriam as mesmas se não fosse o pulso inverso modular de seus manifestos.

O cheiro fétido da histeria grega e de um útero errante com fluidos ou ‘feras’ leva a sintomas, estes causados por fortes bactérias e que incluem a turvação da visão, mal estar abdominal, falta de sensibilidade cutânea, esquecimentos com uma certa letargia e conforme o cheiro fétido e bactérias aumentam cansaço assemelhando-se, apesar que distinto de causa e motricidade modular cartesiana da representação universal, a histeria de Freud e Charcot. Outros efeitos colaterais recebidos pela histeria grega é no seu mais auge falta de ar, pressão na epiglote, inchaço na epiglote e uma certa rigidez na região do pescoço, vertingens, tamponamento do ouvido, dores corporais generalizadas, rigidez superior craniana, pele ressecada, sensação de que o abdomem irá explodir, muito inchaço abdominal e fadiga com apresentação de dores na planta do pé ao andar quando se levanta uma vez ou outra onde o mal estar e os sintomas em um determinado estágio começam a gerar quadros claros e evidentes de desespero e ansiedade afinal de contas o físico esta acometido, não se respira direito, tem-se a sensação que vai explodir e as regiões vaginais cheiram, como relatado e cheiram muito mal juntamente a um líquido amarelado apresentando as vezes dores acima do canal ou mesmo abaixo da barriga, parte inferior abdominal. Vale ressaltar que a digestão com sensação de refluxo tomado da falta de ar como relatado e ao mesmo tempo apresentando-se defeituosa de forma a manter acumulo de líquido linfático corporal, secura na derme e insensibilidade na derme, a priori abdominal também são causas e o paladar é acometido junto a perda do olfato.

Coloco isto como ponto relevante e importante, pois são observações reais e da experiência ao qual tomadas como extremos e nas defesas concretas de Freud quando reconhecemos como ponto de partida perceptivo e universal nosso atual pensador Heidegger e sua ontologia atual e mundial o termo pode ser aproveitado para acorrentamentos da formação por aplicabilidade, pois agora tudo passa a ser mental, das sensações de Berkeley, o Bispo e pai Dilthey, o hermenêutico psicólogo, aproveitando-se de um passado incompreendido e assim recriando as áreas mundiais da ciência e de nossa atualidade unido a um Freud que não é o verdadeiro Freud das defesas e de época.

Vou repetir, a histeria de Freud é assim explicitada como termo ‘histeria’ e utilizada por ele e equipe junto as lutas de Charcot de época, pois seus sintomas que da mente transbordam no físico, repito, da mente transbordam no físico se assemelham a histeria dos gregos, do animal (bactéria) dentro do animal (útero) e que traz feras (odores fétidos) causando sintomas de ‘histeria’ só que agora do corpo afetado ao próprio físico, ou seja neste caso não mental, mas puramente físico de pulso.

Acabamos de abordar o módulo da catabase e anabase universal resolvido no objeto, uma perceptiva de formação imprescindível aos doutos e de todas as áreas mundiais hoje e ao qual como sabemos está a anabase incompreendida como termo dado o manifesto egoísta e patológico dos proibidores ‘doutos’ e privadores das defesas do supereu nesta agora e novamente Guerra dos Céus.

Tomando isso como primícias e voltando ao nosso Eduardo ele será apenas um resultado, uma indução da tábua formadora de Helmihoztz conforme apresentações de Gadamer deste eventual e real probleminha civilizacional e histórico.

Note desconsiderar isso, o módulo, é considerar que em um quadro clínico geral uma pessoa que demonstra sensibilidade na derme, irritabilidade, perda auditiva, turvação nos olhos da histeria dos gregos é agora histérica de Freud e assim a cultura que oculta o módulo do entendimento das coisas, do Sublime e Belo de Kant, da oliveira x oliveira, candeeiro x candeeiro e tão quanto do passado manobra o seu ‘patrimonio psiquico’ da formação, deste tipo de Paideia, tanto periférico quanto elevado reclamado por Freud em o Futuro de uma da Ilusão e outras contextualizações e explicações de suas observações clássicas.

Do patrimônio psíquico, um jogo de corda, e sendo assim tentemos explicar. Tenho Eduardo como resultado e pelas Academias Socialistas formo os doutos superfluamente, pois o passado deve ser mantido como mistério e termos relevantes como a Anabase ao qual não apenas está corrompida na religião como na própria ciência formadora e protocolada e assim garantindo a ‘debilidade’ o que podemos chamar de o instinto primitivo, mas na melhor das hipóteses, a infantilidade adulta que predispõe o formando a um tipo de neurastenia quando se apresenta o objeto e provado garantindo o manifesto dos curadores de uma sociedade dita saudável, mas sempre caótica preservando esta cultura, este tipo de cultura mais do que mundial, pois histórica e civilizacional da tradição, mas veja, de uma tradição que impede o verdadeiro conceito de tradição.

A histeria do mau cheiro do útero errante 1 - 5