Um homem histérico? Como assim?

Hemianestesia em um homem histérico (1886)

Ponto de foco – parece que este artigo foi ‘editado’, mexido, conforme relato de tradutores, o foco do artigo descrito por Freud é demonstrar a histeria masculina ao qual não é apenas evidência feminina munido de traumas adquiridos, no meio acadêmico ocorreu resistência e não colaboração por médicos em época para que Freud através das já observações de Charcot provasse o evento proposto.

Conforme este artigo vejo como relevante colocar em observação o termo ‘estigma histérico’ como característica desta neurose ao qual se manifesta e conforme Freud expõe sobre as tais indicações somáticas e o que em hipótese alguma poderíamos destacar do social inferindo no individual.

            Gostaria de ressaltar que antes de resolvermos nosso ‘Eduardo’ do desafio precisamos compreender algumas manifestações evidentes e relevantes com o objeto fenomênico, a res corpórea de Descartes aliadíssimo ao clássico Kant, dentro do materialismo histórico arqueológico aqui abordado de forma mais geral e ampla para que compreendamos o módulo de uma leitura universal já em 1885/1886 podada ao conhecimento, mas profundamente compreendida por Freud e os seus, a catabase x anabase, um módulo e já a muito resolvido em nossa academia e história, mas privado, proibido a compreensão pela formação da ‘sugestão’ que auto-sugere através de um empirismo caótico e se dizendo científico ao qual será clara e estará óbvia nas distinções da histeria grega e histeria freudiana.

            Isso é de suma importância e relevância, pois irá demonstrar o problema de uma psicanalise moderna corrompida sendo agora a todo o custo e ‘boa vontade’ aplicada sobre o nosso ‘Eduardo’ do desafio de forma a esta aplicação e como curadoria manter uma ordem social sempre desordenada e alimentada por esta própria Academia Socialista já reclamadas por Gadamer e Stuart Mill. O que quero dizer é que nesta conduta de psicanalise e de um Freud mal interpretado, não se cura Eduardo, mas o adequa a se manter na histeria coletiva de uma neurastenia implantada.

            O fato e já gostaria de adiantar que Eduardo não irá se curar com esta psicanalise errática se o supereu dos narcisistas proibidores e privadores se manter na própria história da civilização dizendo nestas Academias Socialistas mundial ainda em nossa modernidade da formação serem ‘ciência’, mas no entanto o comportamento de Eduardo tem cura caso a raiz que mantem esta periferia seja realmente curada quanto sua primícias, a informação provada, exata e manifesta e todos seus meios sociais de informação histórica e mundiais.

            De qualquer forma neste artigo de Freud sobre a ‘hemianestesia’ o paciente que Freud apresenta como exemplo e finalmente disposto a ele e que se predispôs a ser tratado pelo próprio Freud tinha o seguinte histórico:

– Pai que morre aos 48 anos da doença de Brigth;

– Trabalhava o pai em uma adega;

– Bebia muito;

– Possuía temperamento violento;

– Mãe morreu aos 46 anos de tuberculose;

– A mãe sofria muito de dores de cabeça quando jovem;

– Na casa existiam 6 filhos;

– O primeiro levou uma vida irregular e faleceu de afecção sifílica cerebral;

– O segundo filho parece que era ele próprio histérico e sofria de ataques convulsivos;

– O terceiro filho desapareceu desde que desertou do exército;

– O quarto e o quinto filho morreram em tenra idade;

– E o último filho é o paciente apresentado por Freud.

– O paciente sofreu um acidente aos 8 anos por atropelamento, antes disso não tinha quadro de convulsões infantis;

– O acidente causou ruptura do tímpano ‘direito’ com permanente déficit da audição neste ouvido;

– Após o acidente foi acometido por uma doença ao qual na época pós-acidente causava desmaios constantes e por meses (Freud diz que esta doença em específico não tinha mais como verificar).

Os efeitos colaterais do paciente após o acidente de 8 anos eram:

– Embotamento intelectual;

– Sensações vertiginosas;

– Fuga de ideias sobre si e reflexões de si;

– A reflexão de si o fazia ficar alarmado quando a sua saúde mental;

– Sono agitado;

– Digestão lenta mantendo vida sedentária;

– Sofreu palpitações nos últimos 9 anos da data de seus 48 anos.

A 3 anos antes dos 48 anos inicia-se a doença da histeria talvez somática conforme Freud:

– O paciente teve um desentendimento com o irmão e o irmão ameaçou empunhalá-lo;

– O paciente demonstrou um medo indescritível o que pelos relatos de Freud poderia ser caracterizado como ‘pânico’;

– Após a crise sentiu um zumbido na cabeça e ficou inconsciente desmaiando a frente de sua casa;

– Ficou sabendo que por 2hs após desmaio sofreu espasmos violentos delirando sobre a cena de seu irmão;

– Após a crise relatada voltou a si muito fraco;

– Após crise ficou seis semanas com dores violentas no lado esquerdo da cabeça e pressão intracraniana;

– Entre oscilações estes estados permanecem a 3 anos com um último estado pior que o primeiro;

– Sendo acusado de roubo por uma mulher teve palpitações;

– Apresentou depressão e pensou em suicídio;

– A metade esquerda de seu corpo ficou afetada por um pequeno acidente cerebral;

– Os olhos ficaram turvos e via tudo cinza;

– Seus sonos eram interrompidos por aparições terrificantes;

– Dores surgiram no lado esquerdo da garganta, virilia esquerda, dor sacra e outras áreas;

– Sentia-se como se estivesse ‘estourado’;

– Dores nos joelhos esquerdos e planta do pé esquerdo quando caminha;

– Sensação peculiar na garganta como se a língua estivesse presa;

– Ouvi frequentes zumbidos no ouvido;

– Memória prejudicada quanto aos acontecimentos;

– Ataques de convulsões;

– Toda sua cabeça quando movimentada apresenta dor com possibilidade nevrálgica do trigêmeo esquerdo;

– Abóboda craniana esquerda muito sensível;

– Pele insensível a estímulos com grau elevado de anestesia não apenas a pele como membrana mucosa;

– Reflexos sensoriais abolidos e diminuídos;

– Reflexos faríngeos diminuídos e apenas epiglote do lado direito é sentida;

– Pálpebras não fecham e reflexo corneano reduzido;

– Apresenta poliopia monocular (imagens fantasmas);

– Anestesia de movimentos absoluta nos membros esquerdos (ligamentos, articulações e musculaturas);

– Apresenta zonas histerógenas, ou seja, pontos e reações que regem sobre somatizações e pressões;

– Cordão espermático esquerdo apresenta-se muito sensível a dor.

Freud relata que com a aplicação de estímulos elétricos conseguiu retomar a sensibilidade das partes do corpo do paciente anestesias de forma a colocar ali suas esperanças de conduta e cura.

Vale ressaltar que, e conforme o objeto fenomênico a histeria terá infinitas potencialidades, graus e somáticas ao passo que a compreendendo percebe-se a gravidade em formar um povo sem a verdade e realidade de um passado, luta e resistência clássica na história e inclui Werner Jaeger ao qual será abordado em breve.

Um homem histérico? Como assim? 1 - 1080x300 para posts 1