Contrariando a Teoria da Terra Plana – Capítulo 37 de Jó (1a. Parte)

Contrariando a Teoria da Terra Plana – Capítulo 37 de Jó (1a. Parte)

livro da sabedoria

Podemos dizer que somos o Terceiro de Nostradamus, nem brancos e nem vermelhos das profecias e por isso aqui iremos apresentar as evidências e observações do que não serve como conceito sempre aprisionando um povo ao caminho mais distante à liberdade e verdade.

Não somos anti-religião e isto prova-se pelas razões muito bem explicadas no livro Nietzsche e o Anticristo que Acorrenta – (1a. Edição disponível na Amazon).


Os Terra Planistas se utilizam deste capítulo Bíblico, o 37 de Jó, para garantir a Teoria da Terra Plana . Neste breve artigo provaremos o quão equivocado isto vem a ser.

Para quem nunca ouviu falar de Jó poderíamos e resumidamente dizer que ele foi um homem da época muito, mais muito rico e prospero e junto a isto muito temente a Deus e principalmente Fiel a Deus.

Quem se atém a um mesmo tipo de leitura de Bíblias, não citamos aqui as escritas em hebraico, como por exemplo, a Evangélica e Católica, percebe que a alegoria da história de Jó acompanha as mesmas alegorias, diríamos, que as alegorias do Livro de Tobias e em que sentido ?

Na tribulação e provação.

Um rápido exemplo é Tobit pai de Tobias que temente e fiel a Deus, o pai, fica cego onde através do anjo Rafael Tobias compreende como anular a ação do Demônio ou homem endemoniado pelo vício do excesso sobre a vida de si e do outro quando temer se torna fanatismo, usando, então, na história o peixe como simbologias e alegoria sobre a compreensão primeira de não se dedicar a tudo que corrompe as coisas na vida, os vícios por assim dizer e que na própria vida devem ser negados por consciência.

Jó tem uma mesma condição de provação quando é permitido sobre ele e por Deus ser atacado pelo Demônio de forma que sofrendo a provação, não cego como Tobit, mas com uma doença quase mortal juntamente com a perda de todos seus filhos e todos os seus bens insiste em se manter fiel a Deus, a virtude.

Importante ressaltar que Jó tinha um problema e diferente de Jesus, como Sacerdote, quem ensina as coisas arqueológicas ele, Jó, era pé aos mancos e olhos aos cegos, os carregando, seus discípulos, seguidores nas costas ao contrário de os ensinar para sozinhos caminharem e enxergarem e por isso Jó vem sobre sua tribo, seu universo construido sofrer, abrir brechas para pelo Universo sofres tribulações e exatamente aqui entendemos porque a Bíblia diz ‘o sofrimento não nasce do pó’. Lembre-se que os amigos de Jó e todos Sacerdotes ao contrário de colaborar com a descoberta do problema para sanar o problema de Jó, toda sua tribulação, pioram por perceptiva a descoberta de que Jó deveria mudar seu Scerdócio e ensinar cada qual a ser olhos e pés por si mesmos.

Junto a este breve entendimento devemos compreender também que nesta provação Jó receberá três amigos, como já especificamos, ao qual procurarão instruir o mesmo, como o Anjo Rafael explicando a Tobias o caminho, explicar possibilidades de se livrar daquele mal e, claro, em Deus, mas como expomos não serão ‘divinos’ como Rafael.

 
Eliafaz, Bildade e Zofar na tribulação de Jó o ajudando na praticamente
 negação da esposa pelo próprio Jó e insatisfação, perda dos filhos, doença e todos os bens, procurando instruir Jó e por incrível que pareça, neste  livro, o Livro de Jó, sendo quase que negados por Deus quando ao final  Deus entra em cena dizendo que Jó deverá orar agora por estes três infelizes amigos, são consequencias da própria forma de Jó construir o seu reino e por isso Jó deverá ao final qundo compreendendo onde errou por estes três e a tudo restituir e receber em dobro. 


Você nunca se perguntou porque Jó teve de orar pelos amigos?

Então, antes de usar o capítulo 37 do livro de Jó precisamos e profundamente se antenar nesta condição.

Vamos resumir rapidamente.

Como praticamente Sacerdotes estes três amigos de Jó, diferente do Anjo Rafael, mas em alguns momentos até assertivos, erram muito sobre os conselhos de como Jó e em Deus deveria sair daquela tribulação.

Por exemplo: dizer a Jó que a tribulação sofrida diz respeito a um pecado dele mesmo como que o julgando e esquecer de explicar a verdadeira regra de caminhos, pois para os que realmente interpretam e leêm a Bíblia, é totalmente crível o entendimento de que a Tribulação na Vida sempre existirá para também os fiéis e justos, ou seja, doenças podem vir, perdas etc., mas a diferença é que quem compreende mais as leis da Vida do Livro da Vida as superam com mais facilidade em razão da consciência dos fatos comum do pulso vital e natural do que daqueles que não a conhecem onde juntamente através desta busca de compreensão e analises encontrar a raíz de alguns problemas e se submeter a mudanças também é produto de transformações.

Isto explica porque o Senhor é considerado Senhor do Universo e por incrível que pareça imanente e panteísta ao mesmo tempo na leitura estoica compreendido e condutas órficas.


Canal TV Prevenindo o Essencial: Acompanhe os conceitos semânticos sobre o duplo:uno e uno:duplo sistêmico do imanentismo e panteísmo ao mesmo tempo da obra que entre 2019 e 2020 será lançada na plataforma Amazon

Nenhum dos amigos de Jó explicou isto quase que corrompendo as escrituras de cunho sofístico junto a compreensão do tal Deus Desconhecido de Paulo Apóstolo, não fosse a própria ingenuidade deles.

Compreendendo os motivos e de forma bem rápida desta relação e do Livro de Jó, outra condição a se relevar são as chaves e códices numéricos, arqueológicos e pictográficos tais como:

  • o sete-estrelo
  • o valor 7 mil ovelhas, 3 mil camelos, 500 jutas de bois e 500 jumentos que descreve o 7 estrelo
  • e o por que é tão necessário compreender o Universo e as coisas da Natureza para compreender Deus


O Sete-Estrelo

Meus amados herméticos que também nos acompanham nestas linhas, sinto lhes informar, mas antes de relacionar o Sete-Estrelo com as Pleiâdes devemos voltar a época de Dante Alighieri e procurar entender o do por que das críticas de relacionar astros com pictografias corrompendo assim a pureza e primeiramente da pictografia para depois através dela quem sabe buscar e compreender os astros (…)

Enfim. Sim! Inverteram as coisas e nossa perceptiva onde sobre a perceptiva sugerimos a leitura de nossas matérias da Categoria Metafisica de O Novo Paradima Notícias e Blog de Opinião.

Bom, o que vem a ser o Sete-Estrelo, então!

Antes mesmo de concluirmos o Sete-Estrelo, uma pictografia, devemos considerar o valor sete e sua importância unindo este valor ao códice 7 mil ovelhas do mesmo livro.

Não apenas relacionar a 7 mil ovelhas como também a relação do Sete com o Descanso e/ou Apocalipse de Deus na Gênesis e o do por que no próprio Sete em Balão vimos sobre o Descanso o corromper este Descanso e Leis.

Depois de considerar e compreender o valor 7 que em Apocalipse diz respeito ao Sétimo Espírito que está no ar do Candeeiro-candeeiro, Oliveira-Oliveria de módulo, e nesta relação semântica, temos um códice também ao qual será trigonometricamente e por semântica explicada na obra ainda em construção O Radical do Absoluto e a Díade Universal; enfim, depois de considerar e compreender o valor 7 que em Apocalipse diz respeito ao Sétimo Espírito que está no ar e que significa a circunferência desta pictografia, um estrelo, devemos caminhar a arqueologia dos fatos e compreender não por sentidos apenas ou muito menos ceticismo, mas por consciência o do por que das sempre críticas de grandes pensadores sobre o Mito.

Contrariando a Teoria da Terra Plana - Capítulo 37 de Jó (1a. Parte) 1 - signo arqueologico

Para sermos mais breves os valores 7,3,500 e 500, e quanto a esta matéria coloquem comentários abaixo caso tenham interesse de algo mais específico sobre o tema, 7 da pictografia e que é também hitita, a pictografia dos filhos de Hete relacionados a Canaã é a circunferência, 3 trigonometricamente o ponto do raio desta circunferência e 500 e 500 de cada lado deste sistema não quantificado, pois dispostos em 3 colunas ao mesmo tempo em que duplamente inversamente ao quadrado, e isto tem relação com o Orfismo pitagórico e também por perceptiva corrompido, pois a priori apenas uma coordenda, 500 e 500 que podemos relacionar sem estar quantizado como sendo 5 e 5 são números fixos e bem significativos que fazem parte deste Estrelo. (verifique estes números na imagem acima)

7*3 é 21 e somado ou multiplicado por 10 de 5 e 5(5+5) é respectivamente 31 e 210 respectivamente onde temos de 210 o valor 3 (2+1+0) ou valor do ponto do raio do sistema da circunferência do Estrelo de duas cordas que formam um ponto e que ao mesmo tempo é 4 (o quadrando +1 de +3 da sobra), o valor de sua quadratura interna já anteriormente ao livro de Jó exposto nas profecias de Balaão, pois de 31=4 de (7*3=21 + 10) temos 4 raios, entenda a leitura 31 é 3+1 e que é o módulo 4 do sistema por coordenadas órficas de leitura do objeto sem místicos. Isto é uma leitura de base deste metafísico estrelo arqueológico descrito no Livro ee Jó, o próprio Santo Graal carregado por Jesus.

O que então estes terra planistas estão fazendo?

Ora, pensemos. O Estrelo é um quadrado e ao mesmo tempo atado a uma circunferência e vice-versa, ou seja, um plano e circunferência ao mesmo tempo e vice-versa.

Quer saber mais sobre o plano e circunferência, circunferência e plano ao mesmo tempo junto a possibilidade da existência de Máquinas do Tempo e Teletransportação leia o e-Book Conte a Eles Alice! Os V Axiomas Euclidianos.

O que isto quer dizer!

Muita coisa, pois é isto a base trigonométrica que os babilônicos usavam para compreendendo o Universo construir o Universo social do homem de forma menor e sempre menos sofisticada apesar de profundamente potencial nas tecnologias necessárias para a vida em sociedade e avanço.


Livro de Jó Capítulo 9

Se você pretende saber mais sobre o Sete-Estrelo de Jó leia o Capítulo 9 que está relacionado e a priori com o desabafo de Jó e sua relação de Amor para com Deus e a sabedoria contida em sua própria sabedoria dada, escrita neste próprio Sete-Estrelo e que é o próprio signo arqueológico, mas lembre-se, não faça como os Terra Planistas estão fazendo ou mesmo muitos sacerdotes de ordem para puxar sardinha para o próprio lado.

É muito fácil você ler um capítulo e decidir que aquele capítulo e especificamente um único versículo daquele determinado capítulo justifica a sua doutrina, entenda, pois isto facilita pedir dízimo pelas vias da hermética que está relacionada a templos e espiritualidade ou mesmo para tentar defender uma razão científica pelas vias de um certo tipo de Nova Ciência apenas a tudo justificando por uma única frase ou linha a ‘coisa’ e se monetizando com falsas informações na internet.

Do Capítulo 9 falaremos brevemente e daí concluiremos este debate e finalmente no Capítulo 37 utilizado pelos Terra Planistas como ícone de uso e provas suficientes para suas próprias Teorias.

 
O que fez a Ursa, o Órion, e o Sete-estrelo, e as recâmaras do sul. Jó 9:9

Veja o Sul aparecendo no versículo 9 do Capítulo 9 como condição de existência e que será também muito bem definido no Capítulo 37 de Jó desqualificando a condição de agora tudo e nas bordas virar apenas Norte no sistema do Sete-Estrelo e trigonométrico.

Esta matéria continua na próxima semana ….

Compreenda mais sobre o Signo Arqueológico acessando nossas séries em nossa Página do Facebook.

paradigma

O Novo paradigma é um site 'revelador' que discute temas sobre o Santo Graal da Ciência e Espiritualidade resgantando na arqueologia e História a Primeira Filosofia, Metafísica, Teoria das Cordas, Quântica, Física e Tecnologias.