O NOVO PARADIGMA

Notícias e Blog de Opinião

Revelado o porque a Teoria da Relatividade sempre falseada em si mesma define o SPIN em seus laboratórios como indeterminados.

Revelado o porque a Teoria da Relatividade sempre falseada em si mesma define o SPIN em seus laboratórios como indeterminados.

Perceptiva, verdadeira Teoria das Cordas mais o quadrado da Distância de Newton – Neste artigo você compreenderá porque temos em nosso Universo algo que excede exponencialmente a velocidade da luz.

Conforme o Graal, corpúsculo e seus números fixos arqueológicos sempre usados pela Clássica que em suas obras na histórIa dialética nunca deixou de citar a fonte de suas descobertas diferente da Teoria da Relatividade hoje Geral e baseada na Metafísica de Aristóteles que transforma esta matéria em códices de letras a+b=c, por exemplo, não citando a fonte e se intitulando por assim dizer ciência ao qual pode carregar a própria matéria arqueologia sempre mistério gerando em seus protocolos grupos de homens sempre singulares compreenderemos a simplicidade do quadrado da distância de Newton e todas as implicações de aplicações que isto gera pela compreensão do Universo, nosso Universo.

TAXONOMIA SISTÊMICA

Como já dissemos o signo arqueológico transformado em mito por Krishna, Hesíodo e outros da História e isto incluirá em uma determinada época os Astecas e Maias dado os seus próprios regentes e destas civilizações tão quanto egípcias, o signo arqueológico e sempre com seus números fixos nos remete a seguinte condição dada.

Observe o signo e nos deparemos com as expressões descritivas do Corolário I de Sir Isaac Newton.

«Corolário I- Um corpo sujeito à ação simultânea de duas forças deverá descrever a diagonal de um paralelogramo no mesmo tempo em que descreveria cada um dos lados quando actuado por cada uma das forças separadamente.» (Isaac Newton, 1962, Principia, Berkeley, University of California Press (de acordo c/ a edição inglesa de 1729)). (Karin Mozena, 2011 – Introibo Ad Altare Dei)

Primeiro temos, como Newton declara em seu corolário I e claramente a fonte ao qual ele descrevendo indica com claridade de onde retirou toda a sua teorética, um corpo sujeito à ação simultânea de duas forças (…)

Compreendendo que simultâneo é diferente de sucessivo e que simultâneo descreve aquilo que acontece ao mesmo tempo, compreendemos que 5 e 5 do sistema acontece ao mesmo tempo com forças idênticas junto as relações em cordas 3 e 3 , 2 e 2 etc.

Este então deverá, conforme o colorário I, estas forças simultâneas, descrever um paralelogramo quando actua por cada uma das forças separadamente.

Ora, 3 e 2 laterais do signo não o é 5 da mesma forma que 3 e 3 superiores e 2 e 2 superiores 6 e 4, logo compreendemos que o paralelogramo é desenhado sobre 6-4 e 5-5 do sistema que somados cada corda perfazem o sempre e mesmo valor central 10, diga-se na analise a priori.



O PARALELOGRAMO

O paralelogramo é um polígono que possui quatro lados, sendo que os segmentos paralelos possuem medidas iguais. Como todo quadrilátero, a soma dos ângulos internos é de 360º. Possui duas diagonais que se cruzam no ponto médio e os ângulos opostos possuem medidas iguais.  (fontes retirada da internet)

No caso e em análise ao corpúsculo temos 5 e 5  formando segmentos paralelos de igual proporções da soma de duas forças em separado de 3+2 de cada lateral do corpúsculo com duas opções de paralelos na elíptica do sistema do corpúsculo de 6 e 6 ou 4 e 4. Lembre-se que como demonstraremos na matéria Parte III sobre a Percetiva da Luz Newton para explicar as cores do prisma sobrepunha inversamente dois corpúsculos, duas plataformas idênticas do signo arqueológico.

Encontrando o paralelogramo compreendemos de antemão algumas possibilidades:

  • Que o signo em sua corda isolado é um sistema duplo em elíptica e circunferência ao mesmo tempo que em seus arranjos quando adequados corretamente nos fornece possibilidades de engrenagens funcionais e perfeitas como no caso de seu duplo arranjo inverso nos fornecendo os paralelogramos do corolário I de Newton em sua Principia.
  • Que o próprio signo e seus números fixos inferiores 4 e 2 demonstram que o corpúsculo se inverte de cima para baixo, pois 4+2=6.

Percebendo agora estas relações numéricas e de aperfeiçoamento analisemos o quadrado da distância.

Note que a soma de todos os valores da circunferência do corpúsculo somam 30 e que a soma das cordas 6 e 4 que forma uma elíptica somam 10 para uma corda em circunferência que forma +10, logo entendemos que temos pela vara de Araão do Sistema de valor 6 e vertical a elíptica com seu valor 10 central de 10 central da circunferência, assim a base dos tais 0,1,1 do sistema Fibonacci e consequentemente do próprio ponto central o mesmo amplificado pela corda a 30.

Perceba que temos no sistema 3 membranas, a  primeira que perfaz uma dupla em si de valor 10+10 central, depois na coordenada 7 em valor 30 e sequencialmente 60 ao passo que considerando o céu dos céus o valor 81 de 18 conforme Chevalier e Cherbrant somando a última membrana e seus respectivos valores 6-7-8-9-9-8-7-6 temos mais um valor em 69 próximo ao valor 71 da corda em 0,71 faltando na relação os valores sempre 2 Maia.

Note que 69 tanto indica o Tao logo o próprio Hanub Kú como apresentamos em vídeo no Canal tão quanto o local de uma nova corda negra do espectro conforme Postulado de Alice que também apresentamos em post sobre o espectro.

QUADRADO DA DISTÂNCIA DE NEWTON

Antes de explicarmos o valor que possui no Universo uma velocidade maior que a luz e seu local, vamos compreender no corpúsculo o quadrado da distância de Newton e consequentemente a relação Huble e Newton dado a verdadeira compreensão da gravidade que acompanham as defesas de Descartes em o Método.

Perceba que na circunferência quando todas as forças agem juntas geram na segunda membrana o valor c=3 ou 30 de n6 de campo 0,3 e frequência 3,23 da Tabela Fermat.

De qualquer forma todas as frequências de nossa Tabela Fermat escalar somados também geram um valor aproximado a 30 em aproximadamente 28. Considerando este fator de perceptiva, perceba que a circunferência do sistema duplo subsequente expressa um valor duas vezes maior que a luz em 60 ou 6 e que com a soma de mais um valor perfaz 69.

NOTE: Em n5 da Tabela Spectral do Postulado de Alice temos 30 em n5 o que será explicado sobre a lei das ondas planas, harmônica.

Voltando a soma de todas as forças do universo em Luz que perfaz na segunda circunferência do corpúsculo se partindo do seu centro 10+10, no valor 30 de 3 (leitura Pitagórica) analisemos o quadrado da distância do sistema que nada mais é do que cada quadrante dentro de uma cartesiana, quadrado maior.

Se considerarmos o local do sistema em coordenada 6-3-5 percebemos que quando estas forças da circunferência estão separadas de si, ou seja, não somam juntas uma força, as mesmas são menores que o valor central do sistema 10+10 e no seu menor índice 10.

Ora se 3 é menor que 10, logo a força 3 é puxada para o centro do sistema (gravidade) e sempre no quadrado da distância onde a soma de todas as forças se repelem do sistema (Huble sobre o universo se expandindo).

Veja que temos no sistema o pulso descrito em o Método de Descartes quanto ao índice de marés, pois como a maré esta situação do quadrado da distância em puxo e repuxo, de vai e vem destas forças agindo sozinhas e em conjunto ao mesmo tempo ou mesmo aquilo que equivale ao pulso de um coração e que corrobora com a estrela da Igreja Filadélfia que abre e fecha, fecha e abre, completam a singularidade em nosso sempre determinado SPIN e nunca indeterminado, mas indeterminado sempre pelas nuances e falcratoas e medidas destes miseráveis laboratórios da Teoria da Relatividade Geral que joga migalhas de compreensões para satisfazer aqueles que eles mesmos homens declaram ser seus irmãos macacos em Darwin, o Topo.

SPIN

Veja o nosso SPIN indeterminado e totalmente determiado pela Teoria e medições da sempre Teoria da Classica.

Veja como nosso SPIN não é indeterminado, mas simplesmente a sua natureza, o próprio Universo.

Compreendendo esta simplicidade vamos a condição agora daquilo que é maior que a velocidade da luz, mas antes não de Brusque, mas de São Paulo e relembrando nosso Apóstolo Paulo e porta de tabernáculo elevada definir a relação de Andromeda e a Via Láctea Senhores.

Assista neste vídeo via USP como que de Brusque a Andromeda eles com a Teoria da Relatividade Geral se descobrirem o SPIN, coitados, quebram o Universo e veja que não por Einstein, mas pelo Graal com números após 7 anos de luta, finalmente terem descoberto o EMARANHADO confirmam sem citar absolutamente ninguém, que o diga a Clássica, ser Einsten um duvidoso onde meio denegrido passa a ser ao final novamente topo, pois determinando a luz como constante não há nada que possa ser mais veloz que a luz. Logo nosso orangotango Einstein deve ser sempre certo para por este mesmo canal Hawking, Hertog serem homens de ciência e instrutores. Quebrem o Universo com o SPIN que lhes dou a partir de Brusque Brasil a Andromeda e elevem-se em prática e obra representando a Santa Aliança da verdade ao passo que enchem os próprios bolsos e seus próprios e sempre empreendimentos, vocês não representam a minha mesa e nunca representarão, porque não existe informação nova, ela já estava aí e por isso temos o direito de sempre divulgar sem citar ninguém e sermos o que nunca conseguimos ser por nós mesmos alguém.

SENHORAS E SENHORES APRESENTO-LHES UNIVERSO RACIONALISTA NA LUTA E SEM CANSAR JUNTO A TODAS AS SUAS ALIANÇAS EM SALAS E MESAS
https://www.facebook.com/UniversoRacionalista/videos/2063736473661898/?v=2063736473661898&hc_location=ufi


Esta matéria continua dia 21/04/2019 (domingo de Páscoa). (Veja aqui)


Posts mais lidos nesta semana:

Inscreva-se. Gratuito.


2 Comments

Porque a Relatividade Geral Mente e continua a mentir em pleno século XXI – O Novo Paradigma Posted on10:35 - 1 de May de 2019

[…] que dão ao nosso próprio Universo sua singularidade e por isso o SPIN universal sempre será um SPIN determinado e não um SPIN indeterminado como proclama e martela a Teoria da Relatividade Geral uma ciência e suas devidas perceptivas a […]

(Parte II) Revelado o porque a Teoria da Relatividade sempre falseada em si mesma define o SPIN em seus laboratórios como indeterminados. – O Novo Paradigma Posted on09:32 - 28 de April de 2019

[…] Para acessar matéria Primeira Parte veja aqui. […]